Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Villa-Lobos das crianças

O Tuca tem se mostrado um ótimo programa. Lá vimos o Tum Pá, o primeiro espetáculo infantil dos fantásticos Barbatuques. E no último final de semana assistimos no mesmo teatro ao Villa-Lobos das Crianças. Fomos num sábado chuvoso e quando chegamos lá, a surpresa: a região toda estava sem luz. Como o saguão do teatro é grande e bastante iluminado, o grupo decidiu fazer ali mesmo a apresentação. Quem não quis ficar, teve a opção de trocar seus ingressos para outro dia. Nós ficamos.

Por um lado, foi bem bacana porque as crianças ficaram bem pertinho dos cantores/atores. Por outro, perdeu-se boa parte dos elementos cênicos. O que, no final, pouco importou porque, apesar de as crianças terem ficado mais dispersas por não estarem dentro do teatro, o grupo conseguiu prender a atenção cantando cantigas bastante conhecidas como Ó ciranda, ó cirandinha, Terezinha de Jesus, O cravo brigou com a rosa, Sambalelê, Sapo Cururu, Nesta rua tem um bosque, Pirulito, Os escravos de Jó e A canoa virou.

Fazem parte do espetáculo ainda canções menos conhecidas como Vamos ver a mulatinha, Vamos maninha, Garibaldi foi à missa e a A moda das tais anquinhas. O Trenzinho caipira, Rosa amarela e trechos de choros e das Bachianas também foram apresentadas. Todo o repertório foi recolhido do folclore brasileiro por Villa-Lobos. Em algumas cantigas, ele compôs uma pequena introdução, em outras, um "lado B".

Vai lá, que vale a pena!

Temporada: até dia 9 de outubro

Rua Monte Alegre, 1024

Central de vendas: (11) 4003-1212

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Cama, mesa e banho

Essa dica não está circunscrita à Vila Madalena, mas eu precisava compartilhar!

Eu não sou louca por sapatos e bolsas. Eu sou louca por toalhas e lençóis. Essa loucura vale para as minhas filhas também. Elas têm um enxoval considerável porque simplesmente não me contenho.

Para quem, como eu, tem uma queda especial por artigos de cama, mesa e banho, super recomendo a compra dos produtos da Raquel Almeida Prado. Em primeiro lugar, são de altíssima qualidade. Em segundo lugar, são lindos. Tão lindos que fico perdidinha sem saber o que comprar.

Geralmente compro na Baby Bum, feira infantil que acontece duas vezes por ano e que frequento desde que a Isadora estava na barriga, mas também dá para encomendar pelo site.

Não perca tempo, corre lá!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Praças


São Paulo não é exatamente conhecida por ser uma cidade verde. Longe disso. E quem tem filhos sabe como uma boa pracinha é um programa quebra-galho super bacana. Quem é paulistano e mora perto de praças bem cuidadas (coisa rara!) é privilegiado, sem dúvida.

A gente frequenta 3 pracinhas com as meninas: a Praça Vicentina de Carvalho (foto), a Praça das Corujas e a Praça do Pôr do Sol. Todas essas têm uma enorme vantagem sobre todas as outras: consigo, apesar das calçadas, ir de carrinho. Claro que tem outras ótimas praças pela região, mas se tem que pegar carro já desanimo um pouco. E quem é paulistano sabe que a gente faz tudo para fugir do trânsito.

A Praça das Corujas é a mais perto de casa e foi reformada há pouco tempo. Ficou muito legal. Fizeram obras não só para melhorar a circulação e atualizar o parquinho, mas também para evitar futuras enchentes do córrego que passa logo ali embaixo.

A Praça do Pôr do Sol é, sem dúvida, a mais bonita por causa da vista. Se o dia estiver bonito, o cair da tarde lá é imbatível, mas a verdade é que eu não acho a praça mais apropriada para crianças, apesar de ter brinquedos em razoável estado de conservação no parquinho. Não é muito bem cuidada no geral (muito lixo) e tem muito sobe e desce, o que é um pouco aflitivo.

A minha preferida é a Vicentina de Carvalho. Comecei a frequentar quando a Isadora tinha 6 meses e não parei mais. O parquinho não é dos mais equipados, às vezes a praça fica um matagal só (aí, só resta parar de ir até a prefeitura resolver aparar a grama), mas é a mais gostosa. É gostosa porque fica numa área só de casas, bastante calma e silenciosa. Um oásis no meio da barulheira nossa de todo dia.

Quando a Isadora ainda não andava, eu aproveitava para ficar dando voltas enquanto a pequena dormia. Era um programa legal para ela e para mim que precisava perder o peso extra da gravidez. Depois que ela passou a andar, comecei a ir no parquinho. Tenho um carinho especial por essa praça: foi nela que a Isadora fez seus primeiros amigos. É, porque a praça, além de ser um programa bacana em si, é também um importante espaço de socialização para as crianças. Das 3, é a mais frequentada pelos pequenos. Daqui a pouco a Cecília que vai começar a ir. E ainda sonho com o dia que será possível fazer o aniversário das meninas em uma delas!

E você, tem uma pracinha "preferida do mundo", como diz a Isadora?

Ah, importante: se você, como eu, acha as praças paulistanas bastante mal-conservadas de maneira geral, e quer ajudar junte-se ao Movimento Boa Praça!



domingo, 28 de agosto de 2011

Instituto Tomie Ohtake

Eis que aproveitamos o calor e o sol no fim da tarde de sexta-feira para dar uma voltinha pelo bairro e resolvemos ir com as meninas no Instituto Tomie Ohtake. O prédio é meio estranho, parece que tem uma carambola suspensa, mas o fato é que lá dentro encontramos boas surpresas.

É um complexo empresarial com prédios de escritórios, centro de convenção, mas o que importa é que sempre tem uma exposição bacana para ir. E o mais legal - e quem tem filho sabe como é isso é importante - é que são exposições pequenas, então, a criançada encara o programa na maior tranquilidade, sem perder a paciência e a elegância.

Fomos ver o “Retorno do desejo proibido”, da Louise Bourgeois, artista plástica francesa conhecida por essas bandas por sua escultura Maman, uma aranha enorme que fica em exposição na marquise do Parque do Ibirapuera, no MAM de São Paulo.

Seja qual for o artista exposto, entretanto, uma ida ao Instituto vale a pena. Tem espaço para as crianças correrem, tem umas lojinhas bacanas e se a fome apertar é só ir no Santinho, restaurante ótimo que fica lá dentro mesmo (mas só funciona nos almoços). Ou se a ideia é fazer um lanchinho basta dar uma volta nas redondezas, a pé mesmo, que dá para encontrar lugares bem gostosos.

Saldo do passeio: Isadora aprendeu uma nova palavra - escultura!

Ah, importante: as exposições são todas gratuitas. (Pelo menos todas a que fui até hoje!).

Vai lá:

Instituto Tomie Ohtake
Av. Faria Lima, 201.
(Entrada pela R. Coropés) Tel.: (11) 2245-1900

Padocas

Quem é mãe sabe que voltar de férias é só o começo. Resta a vida toda para colocar em dia. Por isso tão longa ausência.

Mas…voltando ao assunto!

São Paulo é famosa por suas super padarias e pelo hábito bastante paulistano de dar uma paradinha nelas seja para um rápido expresso, seja para um demorado e gostoso café da manhã.

A Vila Madalena, assim como todos os outros bairros da cidade, tem muitas padocas. Umas de bairro mesmo, outras que se enquadram na categoria “mega padarias”, a exemplo das megastores todas.
No dia a dia, frequentamos três padarias: a Villa Grano, a Letícia (da Rua Natingui) e a Nova Leão. Isadora, sabida que é, quando perguntada em qual padaria quer ir, não titubeia: “Villa Gamo!”, diz do seu jeitinho. Das 3, a Nova Leão é a mais simples, mas a mais simpática porque é onde compramos o leitinho de todo dia e as pessoas te conhecem e perguntam das meninas. E o pão caseirinho é muito bom.

A Letícia, ouso dizer, é a minha preferida. Dá para ir a pé, o serviço é ultra rápido, os pães, deliciosos e tem o melhor pão de queijo das 3 - item importantíssimo se você tem uma filha que os devora com gosto. Destaque para o pão de mandioquinha, que parece uma bisnaga - super macio, mas mais saboroso. E tem a Villa Grano, com sua infinidade de pães, queijos importados, cervejas belga. Tudo é muito gostoso, mas devo confessar que tanta oferta me deixa um pouco aflita. Sempre saio de lá com muito mais do que damos conta consumir.

De vez em quando também vou na Julice Boulangère, que abriu faz pouco tempo no bairro. Vou lá quando quero comprar um pãozinho especial. O de azeite é uma delícia e a Isadora gosta muito de um em formato de tartaruga.

E a sua padoca preferida, qual é?

Férias!

Mãe completamente ocupada pela filha em férias e pela filha bebê pede desculpas pela falta de atualização e avisa que este blog entra em recesso até 1º de agosto. Família vai à praia e volta queimadinha de sol e descansada.
Inté!

Aprontando Uma

E então começaram as férias. E com elas, começamos a quebrar a cabeça para pensar em como entreter nossos filhos. Quanta energia para ser gasta, né? Nesses dias, a última coisa que queremos é ir para a pracinha ou um parque para passar frio. Restam os programas “indoor”. Depois de ter ido ao clube, à livraria, à casa de amigos, ao shopping parece que não sobra mais nada para fazer. Ledo engano. Tem o Aprontando Uma, cuja proposta é bem bacana: desenvolver brincando. Uma casa com uma atmosfera gostosa que oferece brincadeiras para crianças de 0 a 5 anos.

O que eu acho mais bacana é o esquema de funcionamento. Você compra um pacote de horas e as usa como achar melhor. Quem é mãe sabe que às vezes o que funciona num dia, não necessariamente funciona no outro. E mais do que isso: a rotina, embora exista, não é uma camisa de força, então, tem dias que a soneca é maior, tem dias que é mais curta. Assim, você usa suas horas como for mais conveniente. O espaço oferece atividades de culinária, artes, capoeira, contação de histórias e musicalização, entre tantas outras. Tem ainda dança materna (que eu fiz com a Isadora e adorei - falo sobre isso em outro post) e yoga para gestantes.

Isadora e eu já fomos algumas vezes e curtimos muito.

Vale a pena conferir a programação!

Vai lá:

Aprontando Uma
Rua Simão Álvares, 951.
Tel.: (11) 2855-9129

Férias na livraria

Ir à livraria já é um programa bacana em si. Ainda mais se você tem uma filha que desde muito pequena é fascinada por livros (que orgulho!). E nas férias, o passeio fica ainda melhor. Explico.

A Livraria da Vila resolveu ajudar mães e pais na árdua tarefa de entreter os pequenos durante as férias. Contação de histórias, oficinas de arte e de musicalização, pocket shows e lançamentos infantis: todo dia tem uma novidade. Na Livraria da Vila da Vila Madalena o programa é sempre às 16hs. As crianças passeiam, se encontram, fazem novas amizades e ainda passam um bom tempo explorando as prateleiras cheias de histórias a serem lidas e descobertas.

Para saber o que acontece na Livraria da Vila durante todo o mês, acesse aqui. Com certeza você vai achar algo que seja do interesse do seu pequeno. Eu particularmente já fui a contações de histórias e oficinas de musicalização com a Isadora e nos divertimos muito.

Vai lá:

Livraria da Vila
Rua Fradique Coutinho, 915.
Tel.: (11) 3814-5811

Tum Pá

Fizemos um programa ótimo neste final de semana. Fomos assistir ao primeiro espetáculo para crianças do Núcleo Barbatuques. Eu nunca tinha visto e amei. As crianças enlouquecem. Tanto que não se aguentam em suas cadeiras e vão dançar lá pertinho do palco. Quando termina, pedem bis e curtem uma deliciosa interpretação de Samba Lelê. Todo mundo entra na dança.

O show, chamado Tum Pá, tem duração de 1 hora e entretém os pequenos do começo ao fim. Palmas, sons do corpo, voz, batidas dos pés, assobios: tudo vira música. E ainda tem brincadeiras de mão e roda. E tem também uma gostosa interação com o público que tenta, só tenta (!), acompanhar os músicos. É daqueles programas alto-astral de esquentar o coração, sabem? Perfeito para os dias de frio que temos enfrentado.

E ainda tem mais um ponto positivo: o preço é bastante camarada, ao contrário da peça Peixonauta, cujos ingressos são exorbitantes, coisa que esqueci de mencionar alguns posts atrás.

Altamente recomendável!

Vai lá:

Tucarena - PUC-SP
Rua Monte Alegre, 1024.
Temporada: de 02/07 a 07/08 (excepcionalmente 16 de julho não haverá espetáculo); sábados e domingos, às 16hs.
Ingressos:
R$ 20,00 (desconto de 50% para estudantes, maiores de 60 anos, aposentados).
Vendas:
Pela internet: www.ingressorapido.com.br
Central de Vendas: (11) 4003-1212

Frescurite gostosa

Voltando…depois de deliciosa pausa para o feriado com direito à praia!

Até por isso, entro neste assunto. Desde pequenas, minhas filhas usam produtos de higiene da Mustela. Sim, eu sei, é um pouco de frescura, mas comecei a usar e depois ficou difícil largar, sabem? Na verdade, Isadora não usa mais, mas usou até bem pouco tempo atrás. Tudo começou quando engravidei da primeira vez e minha médica me deu essa dica. A linha é bastante grande: tem para mulheres pré e pós-parto e para os bebês. Eu usei nas minhas gravidezes e gostei muito. O hidratante é rico, sem ser melecado. E nas meninas, uso sabonete/shampoo (até tentei pôr fim à frescura: quando Isadora era pequena usei um sabonete da Granado porque o Mustela tinha terminado, mas a pele dela ficou toda ressecada…hahaha, será que a frescurite é de família??!), pomada para assadura, óleo de massagem, lenços umedecidos e até perfume, que aliás é uma delícia.

Tudo tem um cheiro bem suave e gostoso. Mas o mais importante é o protetor solar. E por isso dou a dica aqui. Quando a Isadora tinha 1 ano e pouco fomos passar uns dias de férias no Rio de Janeiro. Fui colocar na mala e vi que o protetor da Mustela estava vencido e eu não tinha tempo de ficar correndo atrás (não é em toda farmácia de SP que você encontra). Acabei comprando um da L’Oreal e um da Nivea. Resultado: Isadora ficou cheia de bolinhas vermelhas no pescoço e com uns vergões vermelhos aqui e ali. Meses depois tiramos mais um resto de férias e fomos para a Praia do Forte. Não arrisquei e levei Mustela. Foi uma maravilha. Não deu nenhuma alergia e Isadora aguentou super bem o calorão baiano. E o que eu acho mais bacana é que você passa e o corpo vai ficando todo branco, então, você sabe exatamente onde passou ou não.

Os produtos são caros aqui no Brasil, então, sempre aproveito para pedir de baciada para quem viaja. Mas se não rolar uma viagem, saiba que tem uma prateleira coalhada de Mustela numa farmácia na Vila Beatriz. É a Drogaria São Paulo, na Rua das Tabocas. Super recomendo!

Guloseimas

Quer dar uma lembrancinha gostosa de final de semestre para os professores da escola, de música, ballet, natação ou artes do seu filho?

Eu tenho uma boa dica! Guloseimas deliciosas da Busy Bee, uma lojinha discreta na Fradique Coutinho que esconde delícias calóricas, mas irresistíveis. Tem tortas, bolos, tabletes de chocolate, bombons, trufas e guloseimas de todos os tipos. Vai sem medo que tudo é feito com muito cuidado e é delicioso. É um super presente! Ah, e vende online também, se você não tiver tempo de ir na loja, o que talvez seja até mais sagaz, assim não há perigo de cair em tentação com o cheiro e cores de tantas gostosuras.

Vai lá:

Busy Bee
Rua Fradique Coutinho, 1.109
Tel.: (11) 3816-6664

Mini Humanos

Era bem fácil. Se eu tinha que comprar uma lembrancinha para uma criança de última hora ou as meninas precisavam de alguma coisa, era só passar na loja da Mini Humanos e eu resolvia a questão rapidinho com peças super descoladas para os pequenos.

Eis que ontem recebo o comunicado que a loja está fechando as portas. Espero que temporariamente. Sorte que a loja virtual, pelo menos, continua a pleno vapor.

Resta aproveitar a queima total da loja nesse últimos dias de funcionamento: tudo está com 50% de desconto!

Vai lá:

Rua Deputado Lacerda Franco, 604
Tel.: 3628-6070/7631-8866

Vamos ao teatro?

Aqui em casa o acesso à TV é bastante restrito. Isadora começou bem tarde a assistir a alguns episódios de Charlie e Lola (que ela adora!!!!) e a alguns trechos de filmes da Disney. Sempre no computador. Depois que ela nasceu, a gente também passou a assistir bem menos TV. Então, ela não tem o costume de ver a gente vendo TV e nem de morar naquelas casas em que a TV fica meio que ligada o tempo todo.

Aos poucos, fomos expandindo o universo do que ela podia ver. Um dos desenhos incluídos no “pode” foi o Peixonauta, simpática animação brasileira que passa na TV a cabo. Ainda assim, tomamos o cuidado de gravar o desenho e depois passar para ela ver. Desse jeito, ela não fica exposta à publicidade bastante agressiva desses canais infantis. E Isadora adora ir ao teatro.

Dito isso, me pareceu um bom programa levá-la para ver Peixonauta nos palcos, peça que acabou de estrear em São Paulo. Deixamos Cecília com uma das avós e fomos os 3. A peça é bacaninha, reproduz a temática ecológica do desenho, e é bem feitinha - os personagens viraram bonecos de espuma e tecido, manipulados por atores, a sonoplastia é feita ao vivo e o cenário é bonito.

Mas, porém, contudo, entretanto…

Expõe as crianças à publicidade desnecessariamente…o que tanto tentamos evitar em casa!! Tinha lido que no saguão iam rolar umas brincadeiras antes da peça. Chegamos cedo e ficamos esperando. Qual não foi nossa surpresa ao descobrirmos que as “brincadeiras” (colocar uma “coroa” de papel na cabeça das crianças e pintar um mural) tinham tão somente a ver com os patrocinadores. Sei que patrocinadores viabilizam a coisa e tals, mas achamos completamente desnecessário! E antes de começar a peça ainda tem um filminho e embaixo de uma cadeira tinha um brinde.

Resumo da ópera: vale a pena ir, mas cheguem bem na hora para não passarem o constrangimento das “brincadeiras”!

Vai lá:

Quando: sábados, às 16h e às 18h, e domingos, às 15h e às 17h. Até 25/9

Onde: Teatro das Artes (Shopping Eldorado - av. Rebouças, 3.970; tel. 0/xx/11/3034-0075)

Quanto: de R$ 30 a R$ 60

SOS calçadas

Sempre me incomodei muito com as calçadas de São Paulo. Feias, sujas e, sobretudo, muito, mas muito mal cuidadas: buracos, desníveis, degraus. Esquinas sem rebaixamento. Um horror completo. Minha birra só aumentou depois que virei mãe e me vi andando de carrinho para cima e para baixo. Tem lugares simplesmente intransitáveis que te obrigam a andar na rua (!!!!) com o carrinho. Super seguro, né?

A coisa começa toda errada porque as calçadas são responsabilidade do dono do imóvel. Aí, quem liga para arrumar e manter sua calçada? Alguns poucos proprietários. Com a coisa toda tão fragmentada, manter um padrão beira o impossível. Eu acho que as calçadas da cidade deveriam ser de responsabilidade da Prefeitura. Quando queima um poste na sua rua, tem um número para o qual você liga e rapidamente ele volta a funcionar. Com as calçadas podia ser igual: um número para você reclamar e vinham consertar.

Tem um projeto da Prefeitura chamado Passeio Livre, que parece bem intencionado até, mas que não trouxe grandes resultados até agora. Para além da Av. Paulista e da Rua Oscar Freire, me parece que mais nada foi feito.

Enfim…fica meu protesto!

Momento mulherzinha

O pós-parto - e olha que eu já tive dois! - não é um momento fácil. É, sobretudo, um período de adaptação (sua, da família, da casa, enfim, de tudo!). A amamentação no começo é complicada para a maioria das mulheres e se você amamenta fica em casa quase 100% do tempo. A rotina vira de ponta cabeça. Você ainda não sabe a que horas o bebê mama, quando tira uma soneca e dormir à noite vira um sonho distante. Você não está mais grávida, mas a gravidez insiste em ficar lá: você já deu à luz, mas a barriga continua como se vc estivesse com 24 semanas!! A coisa boa é, claro, é que você tem um bebê fofinho para chamar de seu, o que faz toda diferença, né?

É duro se organizar para sair de casa e a amamentação dá uma fome de leão (pelo menos para mim!!). Sempre fui magra, nunca sofri de efeito-sanfona, mas nas minhas duas gravidezes enfiei o pé na jaca. Da Isadora engordei 15kgs. Da Cecília, depois de ter jurado que não engordaria tanto, ganhei 17kgs!! Amamentei a Isadora até os 11 meses e Cecília segue mamando exclusivamente. Não sou daquelas pessoas que secam com a amamentação. Então, resta correr atrás do prejuízo. Filho é uma delícia, mas tem horas que você se olha no espelho e se acha um horror. Para a olheira funda ainda não encontrei remédio milagroso. Aliás, se alguém souber de algum me diz, por favor!! Mas para os quilos extras e a unha sem fazer há semanas, encontrei sim.

Se você mora na Zona Oeste, acabou de ter filho (ou não!) e quer ter seu momento mulherzinha no aconchego do seu lar, conheço uma manicure ótima que faz pé e mão divinamente e vai até sua casa. E se você ainda luta com a balança, indico minha nutricionista, Cristina Menna Barreto, que me ajudou no pós da Isadora e me ajuda agora.

Vai lá:

Pé e mão com a Valéria em casa: 8472-7322
E a Cris atende no Espaço Kurma. É só ligar e marcar hora!
Rua dos Macunis, 244.
Tel.: 2528-9588

Mundo Azul

Sei que está frio e o assunto causa até arrepio, mas se você mora na Zona Oeste e procura um lugar bacana para seu filho aprender a nadar eu tenho uma boa dica: Mundo Azul. É, digamos assim, um clássico da região, não tem como errar!

Isadora há alguns meses faz aulas lá e adora! As professoras - na aula dela são 3 para toda a turma, o que acho suficiente - são bastante experientes, competentes e atentas. As aulas são variadas e Isadora já está bastante desenvolta na piscina. Mergulha como um peixinho, dá gosto de ver. As mães/pais que acompanham os pequenos podem assistir a tudo de camarote por meio de um vidro. E tem um vestiário infantil bem legal onde dá para dar banho no maior conforto.

É até um bom programa para as férias que começam amanhã!

Vai lá:

Mundo Azul
Rua Alves Guimarães, 1391.
Tel.: (11) 3862-9060/7341

Praticidade

Não é fácil sair sozinha com minhas duas meninas. Uma ainda precisa de colo/canguru/sling o tempo todo. Outra já anda, mas tem que ficar de olho. Então, é assim: bolsa a tiracolo, Cecília num braço, Isadora numa mão. E aí que sobra pouco corpo para qualquer outra coisa.

Tenho uma bolsa de bebê daquelas grandonas (aliás, ótima, dessa marca aqui. Se você está grávida e vai para os EUA ou conhece alguém que vá, recomendo fortemente essa compra. Tem espaço para tudo, não é infantilizada e tem um mini-trocador que não te deixa com nojinho de colocar o bumbum cheiroso do seu bebê em lugar nenhum), mas com duas filhas e uma bolsa, fica difícil carregar uma sacolona.

Eis que no Atelier Panacéia, loja muito bacana, por sinal, onde você pode adquirir parte do enxoval do bebê em patchworks lindos e roupinhas fofas da BB Moderno sem que você tenha que se abalar até a loja da Vila Olímpia, tem umas bolsinhas para bebês muito legais. Tão legais que minhas duas filhas têm e eu dou de presente para os recém-nascidos mais chegados. Ela é impermeável, tem o tamanho perfeito para levar uma muda de roupa, fralda de pano, fraldinha de boca, fraldas descartáveis, pomada e chupeta, se for o caso. E as estampas são uma mais linda que a outra. E o preço é bem camarada.

Não vem com mini-trocador, mas o nojinho de colocar seu bebê em alguma superfície desconhecida é rapidamente resolvido com a fralda de pano que você sabiamente colocou na bolsinha. E ainda tem uma vantagem: é menos uma coisa para você carregar. Minha filha mais velha acha o máximo ter uma bolsinha e a carrega para cima e para baixo na maior alegria.

Queria ter colocado umas fotos para ilustrar, mas minha máquina está no conserto. No site tem fotos e dá para ver bem!

Vai lá:

Atelier Panacéia
Rua Delfina, 91.
Tel.: 38140-0234

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

São Paulo gélida



Que frio fez hoje! Até queria ter escrito esse post antes, mas entre dar banho e janta para uma e colocar a outra para dormir, só agora consegui sentar na frente do computador de novo.

Abriu faz pouco tempo na Rua Aspicuelta uma loja bárbara da Bebê Básico. Para quem não conhece, como o nome diz, a proposta da loja é vender aquelas “roupas para bater”, mas não de um jeito monótono. As peças são super coloridas e divertidas. Algumas semanas atrás resolvemos ir para Campos do Jordão e me vi diante de um problema: as meninas não tinham roupa para aguentar aquele frio. Resolvi dar uma passada na loja e tive uma grata surpresa: roupas super quentinhas e gostosas. Para a Cecília, comprei um conjunto de moletom, um de plush e dois macacões de matelassê. Para a Isadora, dois casacos de microsoft. Com essas roupas, elas enfrentaram super bem o frio de Campos e a friaca que se abateu sobre São Paulo hoje. Recomendo!

Para quem quiser ir lá:

Bebê Básico
Rua Aspicuelta, 283.
Tel.: (11) 3031-0390

No ar!

Desde que me tornei mãe da Isadora (2 anos e 2 meses) e da Cecília (4 meses), mergulhei fundo no universo materno. Parecia que nada mais interessava tanto quanto as dúvidas, dilemas e delícias da vida com filhos. Sou jornalista e paulistana. Tinha um emprego fixo. Quando a licença-maternidade da Isadora estava chegando ao fim tomei uma decisão difícil, mas consciente: não voltei ao trabalho. Pensar em deixar minha filha tão pequena, ainda mamando exclusivamente, no berçário me pareceu um contra-senso. Assim, segui mãe. Isadora cresceu, começou a ir para a escola e eu fui retomando o trabalho aos poucos, mas como free-lancer. Aí, chegou a Cecília e eu parei com tudo de novo. Mas as meninas crescem rápido! Isadora já é uma menina desenvolta e falante e Cecília já sai do universo de recém-nascida para uma vida plena de bebê.

Eis que um dia, enquanto uma estava na escola e a outra tirando uma soneca, talvez no meio do meu banho, veio a ideia de fazer um blog. Eu que já lia muitos blogs de mães, inclusive o Buenos Aires para Niños e o http://nywkids.com/"NY with Kids, pensei: “Caramba, como não existe um blog como este sobre SP???”. Claro que existe Sampa para crianças eu que não conhecia!!!

Pensei mais um pouco e não desisti da ideia, mas a aprimorei. Decidi fazer este blog para contar o que a Vila Madalena expandida (Zona Oeste) tem de bom para as crianças. É nessa região da cidade que eu nasci, que eu moro e por onde eu circulo. Não quero fazer uma compilação de programas e dicas. Quero deixar aqui minhas impressões sobre as coisas que conheço, que já experimentei e lugares que já visitei.

Sugestões, dicas, críticas, opiniões são muito bem-vindas!